sábado, 4 de março de 2017

Anoitecer...

Ninguém pode dizer que uma tabanca é uma coisa sossegada! Talvez o possam dizer na hora da sesta... Na hora do calor concordo, depois não!
O climax chega ao final do dia, os galos cantam ao despique, as cabras balem numa conversa infernal. As mulheres falam, alguém pila ritmadamente alimentos ou descasca arroz, e as crianças... as crianças são tantas, gritam, choram, falam, correm. Ouve-se um rádio. Alguma música ao fundo. Os pássaros juntam-se nas árvores pondo a conversa em dia ensurdecedoramente.
Tudo isto impede que nos ouçamos sem esforço quando falamos baixo a um metro de distância.
Parece que se ouvem corujas... Ouvem-se coisas que não se parecem com nada e que, na noite, atribuo a seres fantásticos que povoam o imaginário animista desta gente. Daqui a pouco isto acalma para dar lugar aos grilos e às cigarras. Lá pelas duas da manhã chegará o por fim um silêncio que me é por demais saboroso!
Uma tabanca não é uma coisa silenciosa, não, e ainda assim este barulho não agride, é o barulho da vida.... Este é como o barulho do mar, o barulho das ondas...  Afinal há pouca diferença, porque também aqui são os ritmos das luas que influenciam as marés! 
Adormeço embalada por este som, constatando que me dá a paz que o mar oferece, num vai e vem de vida, num vai e vem de vidas que me espantam por tão diferentes e ao mesmo tempo tão iguais ao que conheço. É lindo o anoitecer numa tabanca... É único e mágico que não há palavras que o descrevam e ainda assim tento aqui deitada e em silêncio, com luz de frontal, envolvida num casulo de rede mosquiteira... Tento gravar tinta azul neste caderno quadriculado como quem tatua um símbolo na pele consciente que mudem as circunstâncias, os gostos ou as modas nunca mais da nossa pele sairá aquela marca que optámos ter e nos orgulhamos de ver.
Nunca me arrependi de uma tatuagem e sei que nunca me arrependerei das noites que passo assim imóvel a ouvir os barulhos que me tatuam por dentro. 
As paisagens que vejo de olhos fechados ou na escuridão dos dias são de todas as mais fantásticas. Os meus ouvidos pintam quadros que os olhos nunca conseguirão ver. Talvez porque não existam verdadeiramente... Ou porque, talvez, esta seja a única forma de existir verdadeiramente, e este o único acesso a essa verdade.

6 comentários:

  1. Que maravilha! Obrigada. E boa noite :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que a noite traga os sons que nos abrem a imaginação e nos despertam os sentidos! Muito grata pela tua presença e generosidade da partilha. Abraço apertado. Cláudia

      Eliminar
  2. As tuas palavras fazem-me sentir mais perto dessa terra onde nunca estive, e também, curiosamente, mais perto de mim. Boa viagem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez tenhas estado querida Ana... O que vou experimentando aqui é que a realidade visível é apenas uma parte muito pequena da realidade... Talvez estar cada vez mais perto de nós seja um acto universal... seja a comunhão com tudo o que existe, já foi vivido ou respirado :-P Abraço apertado cheio de saudade desse sorriso e desse humor cuja recordação, curiosamente me faz sentir mais perto de mim. Mil beijos!

      Eliminar
  3. Nunca dormi numa tabanca, mas já lhe senti os barulhos, as cores e odores... e é isso, ficam-nos tatuados.
    Raquel Ataíde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As tatuagens são assim!! Sentem-se!! Beijos grandes princesa!! Até breve!! O Verão está quase ai para nos tatuar a pele. Mil beijos!

      Eliminar